Transplante de órgãos: a importância da doação

transplante de órgãos

O assunto é muito importante: o transplante de órgãos. Setembro marca o mês de sensibilização da sociedade sobre a importância da doação de órgãos e tecidos. No Brasil, mais de 40 mil pessoas aguardam por um transplante e, para muitos destes pacientes, essa cirurgia é a única alternativa para sobreviver. Todos os anos, milhares de vidas são salvas com esse procedimento.

Atualmente, mais de 43% das famílias de possíveis doadores negam a doação de órgãos, segundo dados da Associação Brasileira de Transplante de Órgãos. Um dos motivos para isso ocorrer é devido a falta de informação. Por isso, abaixo algumas dúvidas sobre o assunto serão esclarecidas.


Como posso ser um doador de órgãos após a morte?

A legislação brasileira atual não aceita documentos por escrito autorizando a doação. Somente a família pode tomar essa decisão após a morte. Por esse motivo, é muito importante que você informe seus familiares sobre o seu desejo.

Quem pode doar órgãos?

Existem dois tipos:
O doador em vida pode doar um rim, medula óssea,  parte do fígado e parte do pulmão (em casos excepcionais).

O doador em morte pode salvar mais de oito vidas, pois é possível doar o cora coração, pulmão, fígado, os rins, pâncreas, córneas, intestino, pele, ossos e válvulas cardíacas.


O que é morte encefálica?

Trata-se de uma condição do corpo humano em que ocorre a perda completa e irreversível das funções cerebrais, definida pela cessação das funções corticais e do tronco encefálico ou tronco cerebral. Quando ela ocorre, é caracterizada a morte do indivíduo e seus órgãos podem ser viabilizados para outras pessoas (se houver o consentimento familiar).

O paciente pode acordar da morte encefálica?

Não. A morte encefálica é irreversível. Para realizar o diagnóstico, são realizados diversos protocolos criteriosos que comprovam a ausência de reflexos do tronco encefálico. E apenas após todo o procedimento é que será possível questionar a família sobre a doação.

Quem irá receber os órgãos?

Os órgãos são transplantados para os primeiros pacientes compatíveis que estão aguardando em lista única gerenciada pelo gestor público estadual. Esse processo é controlado pelo Sistema Nacional de Transplantes e supervisionado pelo Ministério Público.

Transplante de coração

O coração é hoje o terceiro órgão mais transplantado no Brasil, perdendo para o rim e para o fígado, segundo dados da ABTO.

O primeiro transplante desse órgão no país foi realizado há 54 anos. Desde então, o avanço das técnicas e dos medicamentos têm melhorado progressivamente as taxas de rejeição do órgão. De acordo com o Brazilian Journal of Cardiovascular Surgery, há alguns anos que a refeição deixou de ser a principal causa de mortalidade após o transplante. 

O transplante de coração é a única alternativa quando o paciente não reage a medicamentos ou a nenhum outro procedimento cirúrgico. O transplante cardíaco é uma cirurgia na onde uma pessoa com doença cardíaca grave recebe um coração saudável, doado por um indivíduo com morte cerebral.

O Hospital São Francisco e o Hospital da Criança Santo Antônio são centros equipados com equipe multidisciplinar especializada para o transplante de coração em pacientes adultos e pediátricos.


Referência: Associação Brasileira de Transplante de Órgãos, Ministério da Saúde e Brazilian Journal of Cardiovascular Surgery 

Sobre o Doutor Coração

Doutor Coração é um serviço que reúne os melhores especialistas da área cardiológica em Porto Alegre.
Localizado no Hospital São Francisco da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre e coordenado pelo Dr. Fernando Lucchese, este é um centro de referência no país, com serviços pioneiros e tecnologia de ponta para tratamentos de alta complexidade. Para mais informações, entre em contato pelo telefone (51) 3214.8100.

As informações neste site possuem caráter informativo e não substituem a consulta com um médico.

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on facebook
Facebook
Share on linkedin
LinkedIn
Share on twitter
Twitter
Share on email
Email
Share on print
Print