Diminuir letra Aumentar letra
NOTÍCIAS

14/06/2018
Novo estudo alerta que o frio aumenta o risco de morte após ataque cardíaco

termometro-curitiba.jpg

Crédito da imagem: Divulgação/AENotícias

Segundo os pesquisadores, em épocas de temperaturas baixas, o risco de morrer dentro dos 30 dias após um ataque cardíaco grave aumentou em quase 50%.

Realizado no hospital britânico Leeds General Infirmary, o estudo indica que ataques cardíacos podem ser mais fatais nas estações mais frias do ano. A pesquisa foi apresentada no início deste mês na Conferência da Sociedade Cardiovascular Britânica, em Manchester, na Inglaterra.

Os cientistas compararam dados de 4.056 pessoas que receberam tratamento para ataque cardíaco em quatro anos. A principal descoberta apontada pelos autores é que os ataques cardíacos graves foram mais fatais em períodos de frio - o estudo dividiu e comparou os seis meses mais frios com o seis meses mais quentes do ano.

Os resultados mostraram que o número total de ataques cardíacos foi quase o mesmo durante todo o ano. Da mesma forma, casos mais graves levaram à parada cardíaca e choque cardiogênico.

A diferença, no entanto, foi percebida no risco de morrer nos 30 dias após o incidente, que aumentou em quase 50% nos seis meses mais frios.

Conforme Dr. Arvin Krishnamurthy, que liderou o trabalho, não há razão física para que um ataque cardíaco, mesmo o mais grave, seja mais mortal no inverno do que no verão. Ele defende que é preciso fazer novas pesquisas para descobrir quais são as causas desse aumento e as formas de melhorar os desfechos.