Diminuir letra Aumentar letra
NOTÍCIAS

01/07/2016
Inverno aumenta a incidência de doenças do coração

infarto_4.jpg

Crédito da imagem: hyvaterveys.fi

O frio intenso estimula o sistema nervoso simpático (responsável pela contração das artérias), que faz aumentar a frequência cardíaca e a pressão arterial. Com isso, o coração precisa trabalhar mais para manter o corpo aquecido. Em corações doentes, o sangue estará mais propenso a desenvolver coágulos, que podem levar ao infarto ou derrame.

O risco é maior para fumantes, diabéticos, hipertensos, portadores de doenças coronarianas e pessoas com altos índices de lipídios no sangue. Além deles, idosos, indivíduos que trabalham ao ar livre e pessoas em uso de medicamentos antigripais também estão mais propensas a ter um infarto no inverno.

Os sintomas podem variar. Um sinal clássico costuma ser aperto ou queimação no tórax, membros superiores, mandíbula, pescoço ou estômago, que pode durar alguns minutos ou se estender por horas. Sudorese, tontura, cansaço, falta de ar, palidez, náuseas e vômitos também podem ser sentidos por alguns pacientes.

Para proteger seu coração, fique atento a algumas recomendações:

- Não faça atividades físicas em dias de muito frio se você não tem o hábito de exercitar-se regularmente.

- Tenha regularidade em suas atividades físicas. Movimente seu corpo por pelo menos 40 minutos quatro vezes por semana ou por 60 minutos três vezes por semana.

- Evite praticar atividades físicas se você estiver resfriado ou usando medicamentos antigripais – é possível que os remédios contenham descongestionantes vasoconstritores que podem aumentar a pressão arterial e desenvolver arritmias cardíacas.

- Não fume e evite o excesso de bebidas alcóolicas.

- Não use drogas.

- Alimente-se corretamente. Evite alimentos muito salgados, calóricos e ricos em gorduras saturadas e trans.

- Certifique-se de que sua pressão arterial, colesterol e glicemia estão controlados.

- Consulte um cardiologista e faça exames preventivos anualmente.

Texto com informações do Dr. Giuliano Faccini, ex-residente do Hospital São Francisco, para o jornal Lance Notícias, de Santa Catarina.