Diminuir letra Aumentar letra
NOTÍCIAS

24/08/2018
Consumo compulsivo de álcool eleva a pressão arterial e o colesterol de homens jovens

PinterestReprodução.jpg

Crédito da imagem: Pinterest/Reprodução

Um novo estudo publicado no Journal of The American Heart Associationaponta que o consumo exagerado de álcool altera de forma negativa a pressão arterial e o colesterol de homens jovens. As duas condições aumentam o risco de doenças cardiovasculares, a principal causa de morte no mundo.

A pesquisa avaliou 4.710 pessoas com idades entre 18 e 45 anos, uma faixa etária em que, conforme o texto, é mais comum beber sem moderação. Para o levantamento, foi considerada ingestão compulsiva de álcool beber mais de quatro doses para mulheres e cinco doses para homens em um único dia. 

Depois de analisar a quantidade de bebida, os voluntários foram divididos em três grupos: os que não bebem compulsivamente, os que tiveram de 1 a 12 episódios de compulsão alcoólica no ano e os que beberam compulsivamente mais de 12 vezes no ano.

Neste terceiro grupo, formado por homens que beberam compulsivamente mais de 12 vezes, os participantes apresentaram uma pressão sistólica média de 121,08 mm HG – valor considerado pré-hipertensão arterial. 

A pressão sistólica de quem passou por no máximo 12 episódios de compulsão alcóolica foi de 119 mm HG, enquanto a dos que não bebem compulsivamente foi de 117, 5 mm HG. 

As mulheres dos três grupos não apresentaram diferenças significativas e estavam com a pressão sistólica normal, de até 120 mm HG.

A taxa de colesterol total de quem, na classificação dos autores do estudo, bebeu compulsivamente também foi maior: 217 mg/dl nos homens que exageraram até 12 vezes no ano; 215 mg/dl nos que beberam compulsivamente mais de 12 vezes; e 207,8 mg/dl nos que não têm compulsão. Atualmente, o nível de colesterol total desejável para minimizar o risco de doenças cardíacas é 190 mg/dl.

Entre as mulheres, a variação do colesterol total também não foi significativa entre os três grupos. No entanto, o nível de todas estava acima da taxa desejável: 207 mg/dl para os dois primeiros grupos e 210 mg/dl para as mulheres que beberam em mais de 12 episódios.